segunda-feira, 9 de maio de 2011

RETRAÇÃO DE SECAGEM NAS ARGAMASSAS E CONCRETOS

Retração de secagem após 120 dias para concreto ou argamassa .

 A introdução adicional de água para promover trabalhabilidade do concreto ou argamassa acarreta em retração (retração de secagem), pois esta quantidade adicional de água permanece livre no concreto ou argamassa, evaporando-se, gerando tensões capilares, ocasionando a perda de volume.
 
A retração de secagem do concreto e argamassas se prolonga por vários meses. Assim sendo, podemos indicar que a retração do concreto e argamassa tem os seguintes percentuais de retração ao longo do tempo:
  
•  35% a 45% da retração total ocorre até os 7 dias de idade
•  50% a 60% da retração total ocorre até os 28 dias de idade
• 80% a 95% da retração total ocorre até os 120 dias de idade

 A retração está relacionada a diversos fatores, que potencializam seus valores, tais como:

•  Quantidade de cimento: quanto mais rico em cimento o traço, maior o índice de retração

•  Relação água/cimento: a elevada relação água cimento é sem dúvida o fator que mais influencia a retração. Deve se considerar que não é costume dos aplicadores de impermeabilização a utilização de plastificantes redutores de água nos traços de argamassa e concreto, que muito contribui para evitar as fissuras de retração. 

•  Finura e composição química do cimento: quanto mais fino é o cimento ou maior teores de cloretos e álcalis, maior será a retração. 

•  Cura: quanto maior a cura, menor será a retração. Quando a evaporação da água é elevada antes do fim de pega da argamassa ou concreto, a retração é sensivelmente acentuada.

•  Granulometria dos agregados: quanto maior a finura dos agregados, maior será a retração, pois maior será o teor de cimento e água para recobri-lo. Tipo dos agregados: O menor módulo de elasticidade do agregado, maior será a retração, pois o mesmo sofre maior compressão proveniente das tensões de retração.

•  Umidade relativa: Maiores retrações ocorrem em ambientes de menor umidade relativa do ar. 
Fonte : Eng José E. Granato

Nenhum comentário:

Postar um comentário