sábado, 22 de dezembro de 2012

ISOLAÇÃO ACÚSTICA DEVE SER PENSADA NO PROJETO

Latidos de cachorro e o ruído provocado pelo caminhar de sapatos de salto alto costumam gerar reclamações em condomínios 


"A isolação acústica é algo que tem que ser previsto no projeto. Uma vez construído o imóvel, torna-se inviável economicamente", avalia Mitsuo Yoshimoto, do IPT.


"Depois que o morador já comprou, fica difícil.No caso da laje] seria preciso tirar todo o piso para aplicar uma manta. Imagine fazer isso em um prédio inteiro."

O depoimento do pesquisador dá uma ideia da dificuldade para corrigir um problema construtivo que causa desconforto sonoro. E a "parte mais fraca" dos projetos das construtoras hoje, afirma, é justamente o isolamento acústico das lajes dos prédios, que, quando malfeito, pode fazer com que os passos do vizinho de cima pareçam bate-estacas.

Waldir de Arruda, advogado especializado em direito de vizinhança, sugere que o comprador de um imóvel, mesmo na planta, busque informações sobre o uso de técnicas construtivas na edificação que indiquem a preocupação da construtora em propiciar conforto acústico aos moradores.
"Paredes de 'dry wall'(gesso acartonado), por exemplo, precisam da aplicação de mantas", menciona.

Algumas empresas relatam iniciativas para melhorar a isolação acústica em seus empreendimentos.

"Contra chiados nas instalações hidraúlicas, usamos lã de rocha ou de vidro nos dutos para absorver o som", descreve Marcos Sarge, diretor técnico da Schahin Engenharia.


Nos projetos da Idea Zarvos, as paredes de "dry wall" possuem lã de vidro ou de rocha, relata o arquiteto Guilherme Fiorotto, gerente de marketing da construtora.

Novos projetos

Como as plantas dos imóveis são flexíveis, a espessura das lajes é dobrada, "muito por causa da probabilidade de mudar o layout", caracteriza Fiorotto.

"Se houver uma alteração na localização do banheiro, não será necessário fazer um reforço naquele lugar", exemplifica.

É preciso ressaltar que as determinações da norma da ABNT valem apenas para novos projetos. Apartamentos já lançados e ainda não entregues, por exemplo, não precisam atender a novos padrões.

"Projetos que já vinham sendo desenvolvidos também não têm obrigatoriedade de segui-la", reforça Mauricio Linn Bianchi, vice-presidente de tecnologia e qualidade do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo).


Bianchi observa que a NBR 15.575 funcionará como uma norma mãe, reunindo vários componentes das normas já existentes no país.

"Passa a criar um conceito de todas elas em conjunto", especifica. "Trará para o mercado uma nova cultura. Quando compram um imóvel, as pessoas dificilmente perguntam determinadas coisas. Dentro de dois a cinco anos, vai ser criado um universo um pouco diferente, com produtos diferenciados. Os apartamentos terão uma classificação."

Fonte: Folha de São Paulo-28/02/2010


Nenhum comentário:

Postar um comentário