domingo, 6 de janeiro de 2013

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EXPOSTAS AO MEIO AMBIENTE DURANTE PERÍODO DE CONSTRUÇÃO

Fig 2.30-Corpo de prova extraído de um segmento de seção de pilar(concreto fck=20 mpa),idade de 18 meses-instante de aplicação revestimento de argamassa.Fonte:Silva(2004)

Um cuidado relevante a ser observado durante a execução de uma estrutura de concreto armado é o período em que essa ficará exposta ao meio ambiente até a execução do revestimento.

Silva (2004) estudando a aderência de argamassas em segmento de pilar de concreto verificou que o tempo em que o substrato fica exposto ao meio ambiente pode desencadear a difusão da frente de carbonatação.

A figura 2.30 mostra um concreto com resistência característica de 20 MPa. Esse concreto ficou exposto ao meio ambiente durante um ano e seis meses para posterior aplicação do revestimento em argamassa com espessura de 25 mm.

Observa-se uma profundidade de carbonatação no pilar de 13 mm. A carbonatação desse seguimento de pilar, além de prejudicar a aderência do revestimento em argamassa no substrato devido à colmatação dos poros, também pode, em condição mais intensa, atingir a armadura e despassivá-la.

De acordo com a figura 2.30, a profundidade de carbonatação em um período de 18 meses foi de 13 mm em um ambiente considerado urbano. Segundo a NBR 6118:2003, se esse concreto for localizado em ambiente interno e revestido com argamassa e pintura pode-se admitir um microclima com uma classe de agressividade mais branda e esse concreto poderia ser da classe C20 e com cobrimento nominal de 25 mm para vigas e pilares.

Utilizando a equação 2.12 o tempo necessário para que a frente de carbonatação atingisse a armadura seria de aproximadamente 5 anos e meio. Portanto, após este período a armadura seria despassivada e, na presença de umidade, desencadearia a corrosão.

Fonte:"Ação da carbonatação em vigas de concreto armado em serviço,construídas em escala natural e reduzida"-Valdirene Maria Silva.

Abaixo link para acesso Tese apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.

Download em PDF

Nenhum comentário:

Postar um comentário